quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Eutanásia... dignidade ou homicídio?

   Eutanásia é a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de maneira controlada e assistida por um especialista.
   A eutanásia representa atualmente uma complicada questão de bioética e biodireito, pois enquanto o Estado tem como princípio a proteção da vida dos seus cidadãos, existem aqueles que, devido ao seu estado precário de saúde, desejam dar um fim ao seu sofrimento antecipando a morte.
   Independentemente da forma de eutanásia praticada, seja ela legalizada ou não (tanto em Portugal como no Brasil esta prática é considerada ilegal), ela é considerada um assunto controverso, existindo sempre prós e contras – teorias eventualmente mutáveis com o tempo e a evolução da sociedade, tendo sempre em conta o valor de uma vida humana. Sendo eutanásia um conceito muito vasto, distinguem-se aqui os vários tipos e valores intrinsecamente associados: eutanásia, distanásia (prolongamento da vida por meios artificiais), ortotanásia (morte natural), a própria morte e a dignidade humana.
   Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a eutanásia pode ser dividida em dois grupos: a "eutanásia ativa" e a "eutanásia passiva". Embora existam duas "classificações" possíveis, a eutanásia em si consiste no ato de facultar a morte sem sofrimento a um indivíduo cujo estado de doença é crônico e, portanto, incurável, normalmente associado a um imenso sofrimento físico e psíquico.
   A "eutanásia ativa" conta com o traçado de ações que têm por objetivo pôr término à vida, na medida em que é planejada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o ato.
   A "eutanásia passiva" por sua vez, não provoca deliberadamente a morte, no entanto, com o passar do tempo, conjuntamente com a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos, farmacológicos ou outros, o doente acaba por falecer. São cessadas todas e quaisquer ações que tenham por fim prolongar a vida. Não há por isso um ato que provoque a morte (tal como na eutanásia ativa), mas também não há nenhum que a impeça (como na distanásia).
   É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido", na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa, e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte, ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.
   Etimologicamente, distanásia é o oposto de eutanásia. A distanásia defende que devem ser utilizadas todas as possibilidades para prolongar a vida de um ser humano, ainda que a cura não seja uma possibilidade e o sofrimento se torne demasiadamente penosa.



-E você, é contra ou à favor da eutanásia? Exponha sua opinião nos comentários!

Distimia

   Os traços essenciais da distimia são o estado depressivo leve e prolongado, além de outros sintomas comumente presentes. Pelo critério norte americano são necessários dois anos de período contínuo predominantemente depressivo para os adultos e um ano para as crianças sendo que para elas o humor pode ser irritável ao invés de depressivo. Para o diagnóstico da distimia é necessário antes excluir fases de exaltação do humor como a mania ou a hipomania, assim como a depressão maior. Causas externas também anulam o diagnóstico como as depressões causadas por substâncias exógenas. Durante essa fase de dois anos o paciente não deverá ter passado por um período superior a dois meses sem os sintomas depressivos. Para preencher o diagnóstico de depressão os pacientes além do sentimento de tristeza prolongado precisam apresentar dois dos seguintes sintomas:
  • Falta de apetite ou apetite em excesso
  • Insônia ou hipersonia
  • Falta de energia ou fadiga
  • Baixa da auto-estima
  • Dificuldade de concentrar-se ou tomar decisões
  • Sentimento de falta de esperança

Características associadas:
    Estudos mostram que o sentimento de inadequação e desconforto é muito comum, a generalizada perda de prazer ou interesse também, e o isolamento social manifestado por querer ficar só em casa, sem receber visitas ou atender ao telefone nas fases piores são constantes. Esses pacientes reconhecem sua inconveniência quanto à rejeição social, mas não conseguem controlar. Geralmente os parentes exigem dos pacientes uma mudança positiva, mas isso não é possível para quem está deprimido, não pelas próprias forças. A irritabilidade com tudo e impaciência são sintomas freqüentes e incomodam ao próprio paciente. A capacidade produtiva fica prejudicada bem como a agilidade mental. Assim como na depressão, na distimia também há alteração do apetite, do sono e menos freqüentemente da psicomotricidade.
    O fato de uma pessoa ter distimia não impede que ela desenvolva depressão: nesses casos denominamos a ocorrência de depressão dupla e quando acontece o paciente procura muitas vezes pela primeira vez o psiquiatra. Como a distimia não é suficiente para impedir o rendimento, apenas prejudicando-o, as pessoas não costumam ir ao médico, mas quando não conseguem fazer mais nada direito, vão ao médico e descobrem que têm distimia também.
    Os pacientes que sofreram de distimia desde a infância ou adolescência tendem a acreditar que esse estado de humor é natural deles, faz parte do seu jeito de ser e por isso não procuram um médico, afinal, conseguem viver quase normalmente.


 Idade:
    O início da distimia pode ocorrer na infância caracterizando-a por uma fase anormal. O próprio paciente descreve-se como uma criança diferente, brigona, mal humorada e sempre rejeitada pelos coleginhas. Nessa fase a incidência se dá igualmente em ambos os sexos. A distimia é sub-dividida em precoce e tardia, precoce quando iniciada antes dos 21 anos de idade e partia após isso. Os estudos até o momento mostram que o tipo precoce é mais freqüente que o tardio. Por outro lado estudos com pessoas acima de 60 anos de idade mostram que a prevalência da distimia nessa faixa etária é alta, sendo maior nas mulheres. Os homens apresentam uma freqüência de 17,2% de distimia enquanto as mulheres apresentam uma prevalência de 22,9%.   Outro estudo também com pessoas acima de 60 anos de idade mostrou que a idade média de início da distimia foi de 55,4 anos de idade e o tempo médio de duração da distimia de 12,5 anos.
    A comparação da distimia em pessoas com mais de 60 anos e entre 18 e 59 anos revelou poucas diferenças, os sintomas mais comuns são basicamente os mesmos. Os mais velhos apresentaram mais queixas físicas enquanto os mais novos mais queixas mentais.


Curso:
    A distimia começa sempre de forma muito gradual, nem um psiquiatra poderá ter certeza se um paciente está ou não adquirindo distimia. O diagnóstico preciso só pode ser feito depois que o problema está instalado. O próprio paciente tem dificuldade para determinar quando seu problema começou, a imprecisão gira em torno de meses a anos. Como na maioria das vezes a distimia começa no início da idade adulta a maioria dos pacientes tende a julgar que seu problema é constitucional, ou seja, faz parte do seu ser e não que possa ser um transtorno mental, tratável. Os estudos e os livros não falam a respeito de remissão espontânea. Isso tanto é devido a poucas pesquisas na área, como a provável não remissão. Por enquanto as informações nos levam a crer que a distimia tenda a permanecer indefinidamente nos pacientes quando não tratada.


 Tratamento:
    Os tratamentos com antidepressivos tricíclicos nunca se mostraram satisfatórios, as novas gerações, no entanto, vem apresentando melhores resultados no uso prolongado. Os relatos mais freqüentes são de sucesso no uso da fluoxetina, sertralina, paroxetina e mirtazapina.

Arritmia

   Arritmia ou palpitação é um distúrbio do ritmo cardíaco, que provoca a sensação de que o coração deixou de dar uma batida. Na maioria das vezes, se ocorre ocasionalmente, esse fato não tem consequências. Em alguns casos, porém, pode ser sinal de um problema mais grave.
   O ritmo das batidas de um coração normal descansado é de 60 a 100 por minuto. Os átrios (as duas câmaras menores do coração) contraem-se simultaneamente e o mesmo acontece, logo em seguida, com os ventrículos (as duas câmaras maiores). Esse mecanismo ocasiona a “batida dupla” característica do coração: tum-tá, tum-tá… Exercícios ou estresse emocional podem aumentar o ritmo cardíaco para até 200 ou mais pulsações. Em pessoas com coração sadio, quando a demanda de esforço volta ao normal, o ritmo cardíaco também se restabelece rapidamente.
   No entanto, às vezes as arritmias se instalam por um período maior de tempo. O coração pode bater demasiado lento (bradicardia), ou demasiado rápido (taquicardia).
   Na maioria dos casos, as arritmias são breves, desaparecem espontaneamente e não representam risco para a saúde. No entanto, se o ritmo cardíaco acelerado tornar-se constante, pode conduzir à falência cardíaca congestiva. Arritmias graves, muitas vezes, ocorrem por causa de infartos do miocárdio.
Cafeína, fumo, álcool e outras drogas estimulantes ( legais ou ilícitas) podem desencadear batimentos extras tanto nos átrios quanto nos ventrículos. Usualmente as arritmias desaparecem assim que a pessoa afasta os fatores desencadeantes. Todavia, se os batimentos extras forem rápidos ou muito lentos e vierem acompanhados de tontura e falta de ar, o quadro merece atenção porque pode indicar doenças cardíacas.
    Um tipo de arritmia cardíaca grave, com risco de vida, é a chamada “fibrilação” que ocorre quando os átrios ou os ventrículos se contraem de forma irregular, descoordenada. Pessoas com aterosclerose estão particularmente sujeitas a essa anomalia, que vem acompanhada de dor no peito nos casos de infarto.
 
Recomendações
* Se fuma, faça tudo o que puder para parar de fumar;
* Se notar batimento cardíaco irregular, rápido, ou batimento extra e não houver histórias de doenças do coração em sua família, o problema pode estar relacionado ao consumo de cafeína, fumo, estresse emocional e/ou uso de certos medicamentos. Corte o café, certos tipos de chá, colas e outras bebidas que contenham cafeína;
* Procure um médico. Existem diversos medicamentos que podem ser indicados para tratar das arritmias. Certos casos exigem a implantação cirúrgica de um marcapasso no peito do paciente para regular os batimentos cardíacos;
* Se você é nervoso, sente calor demais, tem tremores nas mãos e transpira muito, sua arritmia pode estar associada à hiperatividade da tireóide. Vá ao médico que lhe indicará o tratamento adequado.
 
Advertência
Palpitações acompanhadas de compressão ou aperto no peito ou de perda de consciência são graves. Procure socorro imediatamente.

TOC

    TOC, ou transtorno obsessivo-compulsivo, é um distúrbio psiquiátrico de ansiedade descrito no “Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais” da Associação de Psiquiatria Americana, que se caracteriza pela presença de crises recorrentes de obsessões e compulsões.
Entende-se por obsessão pensamentos, ideias e imagens que invadem a pessoa insistentemente, sem que ela queira. Como um disco riscado que se põe a repetir sempre o mesmo ponto da gravação, eles ficam patinando dentro da cabeça e o único jeito para livrar-se deles por algum tempo é realizar o ritual próprio da compulsão, seguindo regras e etapas rígidas e pré-estabelecidas que ajudam a aliviar a ansiedade. Alguns portadores dessa desordem acham que, se não agirem assim, algo terrível pode acontecer-lhes. No entanto, a ocorrência dos pensamentos obsessivos tende a agravar-se à medida que são realizados os rituais e pode transformar-se num obstáculo não só para a rotina diária da pessoa como para a vida da família inteira.

Classificação
 Existem dois tipos de TOC:
a) Transtorno obsessivo-compulsivo subclínico – as obsessões e rituais se repetem com frequência, mas não atrapalham a vida da pessoa;
b) Transtorno obsessivo-compulsivo propriamente dito: as obsessões persistem até o exercício da compulsão que alivia a ansiedade.

Causas
   As causas do TOC não estão bem esclarecidas. Certamente, trata-se de um problema multifatorial. Estudos sugerem a existência de alterações na comunicação entre determinadas zonas cerebrais que utilizam a serotonina. Fatores psicológicos e histórico familiar também estão entre as possíveis causas desse distúrbio de ansiedade.

Sintomas
   Em algumas situações, todas as pessoas podem manifestar rituais compulsivos que não caracterizam o TOC. O principal sintoma da doença é a presença de pensamentos obsessivos que levam à realização de um ritual compulsivo para aplacar a ansiedade que toma conta da pessoa.
Preocupação excessiva com limpeza e higiene pessoal, dificuldade para pronunciar certas palavras, indecisão diante de situações corriqueiras por medo que uma escolha errada possa desencadear alguma desgraça, pensamentos agressivos relacionados com morte, acidentes ou doenças são exemplos de sintomas do transtorno obsessivo-compulsivo.

Frequência
   Em geral, só nove anos depois que manifestou os primeiros sintomas, o portador do distúrbio recebe o diagnóstico de certeza e inicia do tratamento. Por isso, a maior parte dos casos é diagnosticada em adultos, embora o transtorno obsessivo-compulsivo possa acometer crianças a partir dos três, quatro anos de idade.
Na infância, o distúrbio é mais frequente nos meninos. No final da adolescência, porém, pode-se dizer que o número de casos é igual nos dois sexos.

Tratamento
   O tratamento pode ser medicamentoso e não medicamentoso. O medicamentoso utiliza antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina. São os únicos que funcionam.
A terapia cognitivo-comportamental é uma abordagem não medicamentosa com comprovada eficácia sobre a doença. Seu princípio básico é expor a pessoa à situação que gera ansiedade, começando pelos sintomas mais brandos. Os resultados costumam ser melhores quando se associam os dois tipos de abordagem terapêutica.
É sempre importante esclarecer o paciente e sua família sobre as características da doença. Quanto mais a par estiverem do problema, melhor funcionará o tratamento.

Recomendações
* Não há quem não tenha experimentado alguma vez um comportamento compulsivo, mas se ele se repete a ponto de prejudicar a execução de tarefas rotineiras, a pessoa pode ser portadora de transtorno obsessivo-compulsivo e precisa de tratamento;
* Crianças podem obedecer a certos rituais, o que é absolutamente normal. No entanto, deve chamar a atenção dos pais a intensidade e a frequência desses episódios. O limite entre normalidade e TOC é muito tênue;
* Os pais não devem colaborar com a perpetuação das manias e rituais dos filhos. Devem ajudá-los a enfrentar os pensamentos obsessivos e a lidar com a compulsão que alivia a ansiedade;
* O respeito a rituais do portador de TOC pode interferir na dinâmica da família inteira. Por isso, é importante estabelecer o diagnóstico de certeza e encaminhar a pessoa para tratamento;
* Esconder os sintomas por vergonha ou insegurança é um péssimo caminho. Quanto mais se adia o tratamento, mais grave fica a doença.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Para quem gosta de anatomia...

Indico estes sites, fáceis e bem explicados.

www.auladeanatomia.com
www.innerbody.com
www.anatomiaonline.com
www.laboratoriodeanatomia.blogspot.com
www.visiblebody.com
www.afh.bio.br

Pulsando o pulso

   Cada ciclo cardíaco gera uma batida cardíaca, e o compasso dos seus ciclos cardíacos é o seu pulso. Normalmente, quando você está em repouso, o coração bate em torno de 70x por minuto, então um pulso normal é 70. Você pode sentir o seu pulso em vários lugares do corpo usando qualquer dedo (menos o polegar) podemos sentir o pulso no interior do punho ou na artéria carótida do pescoço. O que você sente ao tocar nesses lugares é a expansão da artéria quando o sangue passa por ela. Imediatamente depois que a passagem do sangue expandiu esse lugar na artéria, a artéria volta ao seu tamanho normal. O sangue passa pelo mesmo lugar com a mesma frequência do seu ciclo cardíaco, então cada vez que você sente a expansão da artéria, você pode calcular quantas vezes ocorre o seu ciclo cardíaco e medir seu pulso. :)


sábado, 24 de novembro de 2012

Louvado seja o sistema linfático!

    Os vasos linfáticos - os condutores que transportam a linfa pelo corpo - tem uma estrutura parecida com as veias do nosso sistema circulatório. As veias têm valvulas que impedem o sangue desoxigenado de fluir de volta. Igualmente, os vasos linfáticos possuem válvulas que impedem a linfa de fluir de volta.
    A linfa, o fluído que circula pelos vasos linfáticos, é o excesso de fluído intersticial. O fluído intersticial banha cada célula. As células precisam estar em um ambiente fluído porque os nutrientes e o oxigênio precisam ser dissolvidos em fluído para poder passar para as células. Quando há um excesso de fluído intersticial, esse excesso é asborvido pelos vasos linfáticos e chamado de linfa. A linfa passa pelos vasos linfáticos, transportando alguns leucócitos, às vezes, também uns eritrócitos, ou particulas de gordura. Quando a linfa passa pelos nódulos linfáticos, a linfa é filtrada para remover micróbios e impurezas. Depois o fluído purificado volta à circulação sanguínea através das veias do sistema circulatório.



segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Médicos sem fronteiras...

Médicos Sem Fronteiras é uma organização médico-humanitária internacional, independente e comprometida em levar ajuda às pessoas que mais precisam. Também é missão de MSF tornar públicas as situações enfrentadas pelas populações atendidas.
São cerca de 28 mil profissionais de diferentes áreas, espalhados por mais de 60 países, atuando diariamente em situações de desastres naturais, fome, conflitos, epidemias e combate a doenças negligenciadas.
A organização foi criada em 1971, na França, por jovens médicos e jornalistas, que atuaram como voluntários no fim dos anos 60 em Biafra, na Nigéria. Enquanto a equipe médica socorria vítimas em uma brutal guerra civil, o grupo percebeu as limitações da ajuda humanitária internacional: a dificuldade de acesso ao local e os entraves burocráticos e políticos faziam com que muitos se calassem frente aos fatos testemunhados.
MSF surge, então, como uma organização médico-humanitária que associa socorro médico e testemunho em favor das populações em risco.


A organização é uma iniciativa independente de governos e sustentada, em grande parte, por contribuições privadas, o que lhe confere agilidade e liberdade para oferecer ajuda humanitária onde for necessário.

O que fazem:

Oferecer cuidados de saúde em situações de crise é a base do trabalho de Médicos Sem Fronteiras. Conflitos, epidemias, catástrofes naturais, desnutrição e exclusão do acesso à saúde são os principais eixos de atuação de MSF. Tais situações pedem ajuda rápida, com atendimento médico especializado e apoio logístico.
Além de oferecer atendimento em situações de extrema urgência, MSF também se faz presente em locais onde o sistema de saúde não funciona, ou não existe. A organização oferece cuidados de saúde básica e de prevenção em campos de refugiados, áreas de grande instabilidade ou extremamente isoladas.

Os principais modos de ação de MSF são:

  • Assistência de saúde primária em centros de saúde e clínicas móveis
  • Alimentação e nutrição
  • Saúde materno-infantil
  • Campanhas de vacinação
  • Diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças específicas (malária, tuberculose, chagas, HIV/Aids etc.)
  • Atendimento a feridos e cirurgia de guerra
  • Cuidados de saúde mental
  • Atendimento a vítimas de violência sexual
  • Distribuição de alimentos e de itens de abrigo de primeira necessidade
  • Construção e manutenção de estruturas de água e saneamento
  • Recuperação de hospitais e clínicas
  • Treinamento de profissionais (equipe MSF e parceiros de organizações governamentais e não governamentais) 
  •  

 

Como atuam:

Um projeto pode ser desencadeado pela existência de uma situação de crise que requer uma resposta humanitária ou pelo pedido de organizações internacionais, de um governo nacional ou de outras organizações não governamentais. O primeiro passo é enviar uma equipe ao local para avaliar a situação.
Profissionais de MSF analisam, de acordo com o contexto, o número de pessoas afetadas, as necessidades médicas e nutricionais, a infraestrutura de transportes, água e saneamento, o ambiente político e a capacidade local de responder ao problema. Assim, a organização toma a decisão final de intervir ou não naquele país, determinando as prioridades de saúde, além de compor a equipe que entrará em ação e os recursos necessários para iniciar o projeto.
Quando há uma emergência, uma intervenção pode ser efetuada entre 48 e 72 horas após identificado o problema. Por trás da agilidade de MSF, está um sistema de logística extremamente eficiente. A padronização dos métodos de trabalho, a organização de materiais em kits específicos, a manutenção de estoques permanentes e a experiência dos profissionais permitem que MSF chegue ao local afetado com rapidez e comece imediatamente a socorrer as vítimas.
MSF possui quatro centros de logística na Europa e no Leste da África e estoques de equipamento na América Central e no Leste da Ásia. Dessa forma, materiais podem ser enviados de avião para regiões em crise dentro de 24 horas.
Durante as atividades, a avaliação dos procedimentos é constante, para adaptá-los às necessidades da população atendida. A troca de informações entre o pessoal que está em campo e os centros operacionais é contínua, o que assegura flexibilidade das operações e otimização dos recursos em favor das pessoas assistidas.
Todos os projetos de Médicos Sem Fronteiras têm prazo para terminar. Uma vez supridas as necessidades que levaram à instalação do projeto, MSF começa gradualmente a retirar suas equipes para encerrar o programa, ou para repassá-lo a ONGs locais ou ao governo do país. 


PARA DOAR https://www.msf.org.br/doador-sem-fronteiras

segunda-feira, 23 de abril de 2012

As 10 doenças mais raras do mundo!


Talvez fuja um pouco do que estamos acostumados a ver, mas um razoável número de pessoas em todo o mundo sofre de doenças que jamais poderíamos imaginar existir. O Top 10 dessa vez lista doenças incrivelmente diferentes das que estamos acostumados a lidar.


10 - Urticária aquagênica

A urticária é caracterizada por lesões na pele, normalmente por consequência de reações alérgicas. Até aí tudo bem. O problema da urticária aquagênica é que a alergia, nesse caso, é à água. Isso mesmo: as pessoas afetadas por essa doença manifestam reações alérgicas com erupções cutâneas 15 minutos após o contato com a água.


urticária aquagênica


9- Progeria

A progeria é caracterizada por um assustador envelhecimento prematuro. A criança afetada, que normalmente morre cedo devido à problemas da velhice, como enfarte, AVC e arteriosclerose, apesar da aparência de um idoso, apresenta mentalidade e comportamento infantil.

progeria

8 - Quimerismo

Quimera significa a "mistura de dois em apenas um". O quimerismo pode originar indivíduos com duas cores de olhos, dois tipos sanguíneos ou mesmo os famososhermafroditas, aqueles que nascem com órgãos sexuais femininos e masculinos. O quimerismo ocorre devido à fusão de dois zigotos no útero materno. Aliás, caro leitor, você pode muito bem ser uma quimera, viver normalmente e morrer sem saber disso.

quimerismo hermafrodita

7 - Maldição de Ondina

Tudo começa com uma mutação no gene PHOX2B. É o suficiente para que o indivíduo acometido pela doença, que se desencadeará, não respire involuntariamente. Sim, isso significa que a pessoa pode, de repente, esquecer de respirar. E o pior: isso pode, é claro, ocorrer durante o sono.

maldição de ondina

6 - Síndrome de Riley-day

Muitas pessoas, inocentemente, gostariam de não sentir dor. Um grande erro. A dor é que faz com que consigamos sobreviver nesse mundo. Já pensou se você, sem saber, brincando numa árvore batesse em uma colmeia e, sob ataque, não sentisse uma dorzinha sequer? Seu cérebro não entenderia o ataque e você iria, simplesmente, acumular toxinas até morrer. A doença é causada por mutação genética.

Síndrome de Riley-day

5 - Síndrome da mão alheia

Essa síndrome, popularmente conhecida também por síndrome da mão alienígena, é causada por um distúrbio neurológico e faz com que a pessoa afetada não tenha controle sobre uma de suas mãos. É como se seu braço tivesse vida própria. E se você ficou curioso pra saber se a própria mão da pessoa pode matar ela, bem... a resposta é sim.

Síndrome da mão alheia

4 - Sotaque estrangeiro

Essa síndrome também tem relação com distúrbios neurológicos. O indivíduo simplesmente começa a falar com um autêntico sotaque de outro país, como se fosse um estrangeiro em seu próprio território. O primeiro caso registrado foi o de uma mulher na Segunda Guerra Mundial. Ela era norueguesa e passou a falar sua língua com um forte sotaque alemão.

síndrome do Sotaque estrangeiro

3 - Alotriofagia

Alotriofagia é um distúrbio nem tão raro. É relativamente comum entre grávidas subnutridas. A pessoa simplesmente desenvolve uma compulsão inexplicável por comer qualquer coisa: bituca de cigarro, cola, tinta, sabão e até mesmo fezes.

Alotriofagia


2 - Síndrome de Capgras

Essa é, sem dúvida, uma das mais bizarras síndromes existentes. Nela, o indivíduo acometido passa a ter a certeza de que uma determinada pessoa (esposa, esposo, mãe, irmão etc) é um clone! É como se o marido, de repente, passasse a ter a mais absoluta certeza de que sua mulher foi substituída por uma impostora idêntica. 

Síndrome de Capgras

1 - Delírio de Cotard

Sem dúvida, o mais bizarro dos distúrbios neurológicos. O doente acometido pelo delírio de Cotard tem a certeza de que está morto e não há quem o convença do contrário. Alguns doentes também podem apresentar outras manifestações, como a certeza de que seu sangue foi sugado por completo, que perdeu o coração ou mesmo que se tornou imortal. Além de bizarra, a doença traz alguns perigos, por exemplo, se o doente resolver se matar para provar sua imortalidade.

Delírio de Cotard

Fonte: www.papodeestudante.com

Neurose ou Psicose?

A grosso modo, podemos dizer que Neuroses são alterações quantitativas dos fenômenos psíquicos, capazes de produzir sofrimento e/ou prejuízo na maneira da pessoa viver. Isso significa que os neuróticos não apresentam nenhuma novidade ou nenhuma característica psíquica que não exista nas pessoas normais em quantidades mais adequadas. Ansiedade, angústia, sentimentos depressivos, idéias com tendência obsessivas, teatralidade, medo, etc, são ocorrências psíquicas normais mas nos neuróticos elas estariam exageradamente (quantitativamente) alteradas.

Por outro lado, podemos dizer que Psicoses são alterações qualitativas dos fenômenos psíquicos, capazes de produzir sofrimento e/ou prejuízo na maneira da pessoa existir. Nesse caso, as pessoas normais não costumam apresentar os fenômenos psíquicos dos psicóticos, mesmo em quantidades menores. Nenhum normal sente um pouquinho de perseguição, paranóia, catatonia, confusão mental, delírios e alucinações primárias... etc.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Tanatopraxia...

Tanatopraxia é o procedimento de preparação do cadáver para o velório, assim o corpo não sofrerá, pelo tempo solicitado pelos familiares, as decomposições naturais.
Um dos motivos da tanatopraxia é evitar que o cadáver se transforme em um perigo em potencial para a higiene e saúde pública, pois, foi possível registar numerosos casos de acidentes infecciosos provocados por restos mortais. Sendo que de fato as bactérias não patogénicas num ser vivo perduram depois da morte.
No caso de se tentar evitar a decomposição do corpo, é utilizada a técnica de aplicar injeções de produtos bactericidas, com o objetivo de destruir as bactérias existentes como também de estabelecer um ambiente ascético capaz de resistir a uma invasão microbiana.
Corpos mutilados também recebem tratamentos de restauros e cosmética para tentar restituir o aspecto natural dos traços do defunto com o objetivo de atenuar o sofrimento dos familiares.

Necromaquiagem

Reconstrução Facial

domingo, 23 de outubro de 2011

Sexologia Forense...

Conceito: é a parte da Medicina Legal que estuda os problemas médico-legais relacionados ao sexo. O comportamento sexual anormal consta na parte denominada ''Crimes contra os costumes'' do Código Penal brasileiro. Entende-se por costumes um comportamento ou valor social consagrado pela tradição e que, imposto aos indivíduos do grupo, se transmite através de gerações. Esses crimes compreendem-se em cinco grupos:


a) Crimes contra a liberdade sexual: estupro e atentado violento ao pudor.
b) Sedução e corrupção de menores.
c) Rapto.
d) Lenocínio e tráfico de mulheres.
e) Ultraje público ao pudor.


Sedução: Significa enganar, ludibriar, dar uma ''cantada''.
Pena: 1 a 4 anos de detenção.
''Seduzir mulher virgem, menor de 18 e maior que 14 anos, mantendo com ela conjunção carnal.''


Estupro: ''Constranger mulher à conjunção carnal mediante violência ou grave ameaça''. 
Pena: 6 a 10 anos de detenção.


Atentado Violento ao pudor: ''Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a praticar ou permitir que com ele se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal''.
Pena: 6 a 10 anos de reclusão.
O agente do atentado ao pudor geralmente é um pervertido sexual.


Lembre-seNo caso de VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER - avise imediatamente a Deam (Delegacia Especial de Atendimento a Mulher) mais próxima.





Experimente os medicamentos antiálcool...

agora existem três novas medicações aprovadas pelo FDA que podem ser escritas pelo seu médico para tentar acabar com o vício  e evitar uma recaída. Os compostos são:


-Acamprozato: supostamente ajuda a restaurar o equilibrio do cérebro dependente do álcool.
-Naltrexona: pode ajudar a beber menos ao diminuir o desejo de álcool.
-Disulfiram: irá impedí-lo de beber. Caso beba, mesmo que seja uma pequena quantidade de álcool, isso vai causar-lhe náuseas e possivelmente vômitos. Dos três remédios é o único que vai fazer você se sentir mal.

sábado, 22 de outubro de 2011

Exumação...

É o ato de desenterrar o cadáver. Realiza-se com a finalidade de esclarecer algum fato que interessa à justiça que passou despercebido. Usado em identificações , em investigação de paternidade ou em translados. Quando for para realizar atividade pericial, algumas formalidades devem ser preenchidas, como presença de autoridade policial, administradores do cemitério e, se possível, algum familiar. Na realização da perícia, deve-se, em primeiro lugar, fotografar a sepultura e, após a exumação, fotografar o caixão, que a seguir é aberto. Somente após, iniciar a perícia propriamente dita.



fenômenos cadavéricos...


São o conjunto de transformações pelas quais passa o corpo humano após a morte. Boni os dividiu em abióticos e transformativos.

a) Fenômenos abióticos: imediatos e tardios ou sucessivos. São sinais de falta de vida. Apresentam dois tipos:
-Abióticos imediatos: Ocorrem imediatamente após a morte, porém não são por sí só diagnósticos definitivos de morte, pois existem várias situações clínicas que podem provocá-los isoladamente ou em conjunto. Por isso mesmo são chamados de sinais presuntivos de morte. São eles:

-Inconsciência: a falta de consciência é um sinal de morte, mas nem todos os indivíduos inconsciêntes estão mortos. Um exemplo é o coma.
-Imobilidade: a falta de movimentos é outro sinal, mas aqui também nem todo indivíduo está morto.
-Insensibilidade: a falta de sensibilidade é uma das caracteristicas da morte, mas novamente, nem todas estão mortas. Por exemplo coma profundo.
-Parada cardíaca: obviamente, quem está em parada cardíaca por um longo período está morto. No entanto há casos, principalmente em pessoas muito obesas e crianças pequenas e desnutridas, em que o batimento não é audível nem o pulso perceptível.
-Parada respiratória: aqui ocorre o mesmo da situação anterior, às vezes, não se consegue ouvir o murmúrio vesicular ou outros sons respiratórios.

-Abióticos sucessivos ou tardios: ocorrem com o passar do tempo e são característicos da morte, sendo por isso chamados de sinais de certeza da morte. São eles:

-Desidratação: decorre da evaporação da água do corpo humano provocando as seguintes alterações: perda de peso, apergaminhamento da pele, dessecamento das mucosas e etc...



-Resfriamento cadavérico: com a morte, cessa a produção energética do corpo, e a tendência é equilibrar a temperatura com a do meio ambiente
-Livores de hipótase: são manchas de coloração violácea que se formam na posição de declive do corpo.





-Rigidez cadavérica: é a rigidez post mortem adquirida pelos músculos. Acredita-se que ocorrra o seguinte: a falta de oxigênio celular leva à acidose que impede a formação de adenosina trifosfato (ATP), o que resulta na formação de um complexo estável da actina e miosina impedindo que as fibras musculares relaxem.
-Mancha verde abdominal: é uma mancha da cor verde que se inicia na fossa ilíaca direita e vai, progressivamente, expandindo-se para o resto do corpo e se tornando escura até ficar preta. A cor deve-se à transformação da hemoglobina em sulfohemoglobina.



b) Fenômenos transformativos: São aqueles que produzem modificações no corpo humano, quer destruindo-o ou conservando-o. Dividem-se em destrutivos e conservativos.


-Fenômenos destrutivos: são os mais frequentes, consistem na:


-Autólise: é a destruição das células provocada por enzimas intracelulares que são ativadas pela falta de oxigênio. Iniciam-se reações químicas anaeróbicas que levam ao acúmulo de H+ e baixa o pH.
-Putrefação: é a destruição dos tecidos por ação das bactérias é o aparelho digstivo, e sua ação é acelerada pelo calor e sepses.




-Maceração: é um tipo especial de putrefação que ocorre dentro da água.




-Mumificação: é um processo conservativo natural que ocorre quando temos um clima quente e seco com solo arejado.




-Saponificação: é um processo conservativo no qual os tecidos do cadáver transformam-se em adipocera.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

O que é o pus?

''Pus, que nojo!'' O pus é mais uma daquelas maravilhas produzidas pelo seu sistema imunológico. Talvez não seja a sua idéia de maravilha, mas é muito bom quando o seu corpo estiver com alguma infecção. Pus contém neutrófilos que morreram depois de fagocitar bactérias, algumas células mortas, tecido, bactérias presas e leucócitos. Todo esse material forma uma substância amarela, grossa que parece tão nojento. Mas o pus é uma forma de que o seu corpo está combatendo uma infecção e que seu sistema imunológico está fazendo seu trabalho.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Sociopata ou Psicopata?

Sociopata: As características dos sociopatas englobam, principalmente, o desprezo pelas obrigações sociais e a falta de consideração com os sentimentos dos outros. Eles possuem um egocentrismo exageradamente patológico, emoções superficiais, teatrais e falsas, pobre ou nenhum controle da impulsividade, baixa tolerância para frustração, baixo limiar para descarga de agressão, irresponsabilidade, falta de empatia com outros seres humanos, ausência de sentimentos de remorso e de culpa em relação ao seu comportamento. Essas pessoas geralmente são cínicas, incapazes de manter uma relação leal e duradoura, manipuladoras, e incapazes de amar. Eles mentem exageradamente sem constrangimento ou vergonha, subestimam a insensatez das mentiras, roubam, abusam, trapaceiam, manipulam dolosamente seus familiares e parentes, colocam em risco a vida de outras pessoas e, decididamente, nunca são capazes de se corrigirem. Esse conjunto de caracteres faz com que os sociopatas sejam incapazes de aprender com a punição ou incapazes de modificar suas atitudes. Quando os sociopatas descobrem que seu teatro já está descoberto, eles são capazes de darem a falsa impressão de arrependimento, falseiam que mudarão "daqui para a frente", mas nunca serão capazes de suprimir sua índole maldosa. Não obstante eles são artistas na capacidade de disfarçar de forma inteligente suas características de personalidade. Na vida social, o sociopata costuma ter um charme convincente e simpático para as outras pessoas e, não raramente, ele tem uma inteligência normal ou acima da média.
 
Psicopata: O psicopata, por sua vez, superdimensiona suas prerrogativas, possibilidades e imunidades; "esta vez não vão me pegar", ou "desta vez não vão perceber meu plano", essas são suas crenças ostentadas.
Toda lei ou norma, gera temor e inibição, implicam na possibilidade de castigo. A lei está feita para domar, para obrigar e para condicionar as condutas instintivas dos indivíduos. O psicopata não apenas transgride as normas mas as ignora, considera-as obstáculo que devem ser superados na conquista de suas ambições. A norma não desperta no psicopata a mesma inibição que produz na maioria das pessoas.
Para os contraventores não psicopatas, vale o lema "Se quer pertencer a este grupo, estas são as regras. Se cumprir as regras está dentro, se não cumprir está fora". Mas o psicopata tem a particularidade de estar dentro do grupo, apesar de romper todas as regras, normas e leis, apesar de não fazer um insight, não se dar conta, não se arrepender e não se corrigir. Sua arte está na dissimulação, embuste, teatralidade e ilusionismo.
Os psicopatas parecem ser refratários aos estímulos, tanto aos estímulos negativos, tais como castigos, penas, contra-argumentações à ação, apelo moral, etc., como também aos estímulos positivos, como é o caso dos carinhos, recompensas, suavização das penas, apelos afetivos. Essa última característica é pouco notada pelos autores. O psicopata não modifica sua conduta nem por estímulos, positivos, nem pelos negativos.
Para o psicopata a mentira é uma ferramenta de trabalho. Ele desvirtua a verdade com objetivo de conseguir algo para si, para evitar um castigo, para conseguir uma recompensa, para enganar o outro. O psicopata pode violar todo tipo de normas, mas não todas as normas. Violando simultaneamente todas as normas seria rapidamente descoberto e eliminado do grupo.
A particular relação do psicopata com outros seres humanos se dá sempre dentro das alterações da ética. Para o psicopata o outro é “uma coisa”, mais uma ferramenta de trabalho, um objeto de manipulação. Essa é a coisificação do outro, atitude que permite utilizar o outro como objeto de intercâmbio e utilidade. Esta coisificação explica, talvez, torturar ou matar o outro quando se trata de um delito sexual, sádico ou de simples atrocidade.
 
Um sociopata tem aversão a sociedade, um psicopata não tem essa aversão, mas é um indivíduo que transgride as regras e as normas sociais.